Ação pede a exclusão do Google de resultados ofensivos à honra

Você pode gostar...

3 Resultados

  1. Guilherme disse:

    “o que é facilmente constatado se observamos que o mercado de SEO praticamente nasceu com o Google”

    Na verdade, nasceu com a Yahoo e o seu contador de links. A introdução da prática de venda das primeiras posições dos resultados surgiu bem depois com a necessidade de se ser rentável, aliás, no início eram jovens mais idealistas do que capitalistas que desenvolveram toda a estrutura do search engine. Inicialmente, as primeiras colocações eram configuradas através da contagem de quantas visitas foram feitas em cada site, determinando assim, a relevância do conteúdo pela própria vivência dos internautas.

    A única crítica que eu tenho é, na verdade, a mesma qu se faz a quase todas as práticas que intentam cercear o conteúdo da internet e a forma como ela flui: a internet é o único movimento legítimo de integração ente os povos. A literatura começou, o rádio continuou e a TV tentou, mas apenas a internet integra culturas em um mesmo nível de interatividade, jogando no chão as barreiras culturais, raciais, econômicas e religiosas. Através do advento da internet, hoje, eu posso, sem sombra de dúvidas dizer que eu compartilho interesses com asiáticos, americanos, árabes e russos, pois estes colhem a informação que colore a sua imaginação na mesma fonte que eu. É o início de uma sintonia de consciências que antes não tinham nenhum motivo para se interagir.

    Portanto, cercear a liberdade na internet é o começo da ruína de toda a ideologia que a originou (tirando a fatia atribuída aos militares americanos pela sua implantação, é claro).

    A tecnologia e a programação investidas na segurança do flow da informação é diminuta se comparada com a tecnologia e programação desenvolvidas para se burlar esta segurança. Esta burla constante apenas existe pela característica maior da internet e que confere a ela um status superior em relação a todas as outras mídias existentes: ela é “terra de ninguém”.

    Ou então, “caiu na rede é peixe”.

    • Guilherme H. S. Ostrock disse:

      Guilherme, muito interessante a análise feita sobre a net neutrality e de fato está é uma das maiores preocupações que devemos ter, principalmente se nos basearmos nas alterações que o universo jurídico tem imposto à Internet.

      normalmente o Lawrence Lessig aborda esta questão dizendo que o futuro da internet está sendo ditado por advogados.

  2. Kleber disse:

    “Cria-se assim uma situação complexa que pode se transformar em uma indústria de danos morais, ao invés de ajuizar ação contra quem publicou a notícia, persegue-se quem a indexa e entrega como resultado de busca, e na eventual sucessão de líderes neste mercado poderia-se pleitear novamente os danos ao invés de se retificar a notícia, o que felizmente não acontece neste caso haja vista o autor ter processado, também, o site que divulgou o fato.”

    Em relação ao site que veiculou a notícia acredito que o dano moral poderá ser suprimido utilizando-se a Constituição Federal, tendo em vista que a Lei de Imprensa não mais vigora. Preceitua o art.5º, IV da CF que “é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato”; dessa forma, ao site que veiculasse a notícia tão somente seria necessário indicar a fonte de sua informação, pois essa é a finalidade da imprensa, tornar público o que é relevante para a sociedade. Claro que ressalvada a responsabilidade por algum dano que a notícia venha a causar caso o site não tenha tido diligência em verificar a veracidade dos fatos.

    “Cria-se assim uma situação complexa que pode se transformar em uma indústria de danos morais, ao invés de ajuizar ação contra quem publicou a notícia, persegue-se quem a indexa e entrega como resultado de busca, e na eventual sucessão de líderes neste mercado poderia-se pleitear novamente os danos ao invés de se retificar a notícia, o que felizmente não acontece neste caso haja vista o autor ter processado, também, o site que divulgou o fato.
    Mas o pior mesmo é a determinação de randomizar, tornar aleatório os resultados de buscas.”

    Acredito que há responsabilidade do site de busca quando há informação mais recente e ele continua dando relevância a informação mais antiga. Da mesma forma que o algorítimo filtra a busca dá preferência a certos links em detrimento de outros, poderia ser inserido uma instrução que trouxesse o assunto pesquisado dando preferência aos com data mais recente, possibilitando ao pesquisador uma visão atualizada do que tenha ocorrido.

    Concordo que criar parâmetros de pesquisa diferente para termos específicos tornaria a busca muito lenta, prejudicando as buscas em geral. Dessa forma sou a favor de que o buscador consiga trazer os resultados de maior relevância mais recentes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *